Imprimir
Portugal - A Missão que falta cumprirPortugal e a Europa

Portugal Cristianíssimo
Clique na imagem para ampliar


Portugal Cristianíssimo

Ref: Z00002

Preço por Unidade (Unid.): € 15.15
€ 13.64
Poupa: 10.00%


Com entrevista de S. Franclim
Contém "A Missão Templária nos Descobrimentos", tese polémica há décadas atrás, mas hoje plenamente aceite. Revista e aumentada pelo autor, traz novas revelações que levam segredos do passado a oferecer esperança para o futuro do caminho português.

Rainer Daehnhardt  
Zéfiro
15 x 24,2 cm - 134 pp

Enquanto se ensina que Portugal, a mais antiga nação europeia, surgiu pela reconquista cristã, levada a efeito por D. Afonso Henriques, omite-se uma outra luta titânica que teve então lugar. Porém, foi dessa luta que nasceu Portugal.

O Conde D. Henrique, pai de D. Afonso Henriques, era borgonhês e vassalo do Rei de Leão. Na Idade Média, quem era filho de vassalo, vassalo era. Assim, Portugal nasceu através da quebra de vassalagem. Um caso gravíssimo! Quem é que poderia evitar que D. Afonso Henriques fosse sentenciado à morte pelo Rei de Leão e banido de qualquer ajuda cristã? Apenas o Papa. E assim foi. D. Afonso Henriques conquistou Portugal aos mouros, não o entregando ao Rei de Leão nem ficando com ele. Optou por o oferecer ao Papa com o pedido de o reconhecer como seu representante e novo vassalo. Tudo isto é algo pouco divulgado. O que porém sempre foi segredo é o conhecimento de que D. Afonso Henriques não se dirigiu ao Papa, mas ao Contrapapa.

O Papa de então, Anacleto II (1130-38), era um judeu convertido, filho do maior banqueiro transalpino, a quem grande parte da fidalguia cristã devia dinheiro. O Contrapapa, Inocêncio II, refugiado em França, era cristão-velho, mas era apenas apoiado por dois homens, São Bernardo de Claraval e o Imperador da Alemanha. D. Afonso Henriques juntou-se aos dois e ficou no lado certo, pois no final foi Inocêncio II que ficou no trono do Papado.

Foi Portugal que colocou o seu peso na balança para a criação de um “caminho cristianíssimo”. Foi neste caminho que Portugal se destacou, cumprindo duas das suas razões de existência. Fernando Pessoa diria que faltava cumprir a terceira, séculos depois de os templários já terem cumprido os Descobrimentos Portugueses.

Agora do passado chegam-nos as indicações acerca do nosso caminho futuro.

 «Em tempos de aflição até o véu do secretismo se rasga no Templo da Verdade.»

Rainer Daehnhardt


Disponibilidade

Prazo de Entrega (aprox.):

5 dias


Comentários de Clientes:

Não existe qualquer comentário a este produto.
Por favor faça o seu LogIn para escrever um comentário.